domingo, 27 de fevereiro de 2011

Lei de benefícios inversa


As empresas farmacêuticas revelam um padrão claro e repetido em que "as drogas descobertas com boa ciência, para um conjunto específico de pacientes, são comercializados para uma população maior" para quem essa são menos adequadas e menos seguras, diz Howard Brody, professor e diretor do Instituto de Humanidades Médicas da Universidade do Texas Medical Branch em Galveston.
A "Lei de benefícios inversa", foi publicada online na revista American Journal of Public Health (doi: 10.2105/AJPH.2010.199844).
O Dr. Brody disse o BMJ, "Você tem que ser muito cético e cuidadoso para não ser seduzido por resultados de pesquisas que são aparentemente muito válidas cientificamente, mas se você detalhar eles são realmente marketing da indústria disfarçados de investigação e não pesquisa cientificamente válida. Cientistas na indústria e laboratórios nunca dão um passo sem que alguém do marketing esteja lá, enquanto eles estão planejando suas pesquisas."

Os ecos da lei de benefícios inversa leva a "lei dos cuidados inversos", que diz que a disponibilidade de bons cuidados médicos varia inversamente com a necessidade da população (Lancet 1971; i :405-12). A lei de benefícios inversa diz que pacientes com sintomas mais graves ou o maior grau de risco vão receber o maior benefício do tratamento com uma droga. O risco de um evento adverso, no entanto, é distribuída entre todas as pessoas que receberam a droga. Porque poucas pessoas iriam receber a droga em um tratamento baseado em evidências, o marketing das empresas farmacêuticas visa aumentar o número de pessoas que devem ser tratados, com seis mecanismos:
  1. Reduzir o limiar para o diagnóstico da doença, tais como abaixar o nível para diagnosticar o diabetes tipo 2 e hipertensão
  2. Contar com os desfechos, tais como as concentrações de glicose e pressão arterial, ao invés de resultados do paciente, tais como infarto do miocárdio, derrame e morte
  3. Exagerar alegações de segurança (para que os médicos prescreveram novos antipsicóticos mais freqüência, por exemplo)
  4. Afirmar a eficácia exagerando-as com o ciclo-oxigenase-2 seletivos, que não eram melhores do que os antigos AINES, havia apenas um risco modestamente menor de sangramento gastrointestinal, e foram encontrados mais tarde indicios de aumento dos riscos cardiovasculares
  5. Criação de novas doenças, como a fobia social, pré-diabetes, pré-hipertensão
  6. Incentivar usos não aprovados, através de campanhas de educação continuada, palestras para médicos e artigos.
Para combater o "benefício inverso" o Dr. Brody e seu co-autor, David Luz, da Universidade de Medicina e Odontologia de New Jersey, sugerem que as diretrizes de tratamento devem ser restritas aos grupos livres de interesse comercial. Uma agência neutra, como um ramo dos Institutos Nacionais de Saúde ou a Agência de Investigação de Saúde e Qualidade devem realizar ensaios com drogas e pesquisas de eficácia comparativa. A criação de "novas doenças" pode ser diminuída através da restrição de entrada de empresas farmacêuticas na criação de diretrizes clínicas.
Postar um comentário